Argentina lança ‘dólar Catar’ e ‘dólar Coldplay’ – últimas notícias – Empregonews
Site Overlay

Argentina lança ‘dólar Catar’ e ‘dólar Coldplay’

Autoridades do governo argentino lançaram novos impostos, que passaram a valer na quarta-feira (12), aplicados à taxa de câmbio oficial para viagens ao exterior antes da Copa do Mundo no Catar no próximo mês e para moradores que assistirem a shows de artistas internacionais, como o da banda de rock britânica Coldplay. 

imagem13-10-2022-17-10-49Bandeira da Argentina é erguida. 24/10/2019. REUTERS/Carlos Garcia Rawlins.

No caso do “dólar Catar”, para compras mensais acima de US$ 300 por mês, haverá uma taxa de câmbio implícita combinando a taxa oficial com os dois impostos existentes e a nova terceira taxa de 25%. 

Já em relação ao “dólar Coldplay”, os argentinos que assistirem a shows de artistas que cobram em moeda estrangeira pagarão uma taxa de 30% sobre o valor do ingresso. O Coldplay está fazendo 10 shows esgotados em Buenos Aires este mês. 

Preocupação com desvalorização

Na Argentina, onde taxas de câmbio diferentes se sobrepõem, o governo está criando cada vez mais regras sobre quem pode acessar dólares e com qual objetivo, na tentativa de retardar uma desvalorização.

A taxa oficial é de 150,7 pesos por dólar, enquanto o mercado negro é negociado a cerca de 280 pesos nas ruas de Buenos Aires.

Ao contrário da maioria de seus pares do Grupo dos 20, a Argentina não possui uma moeda flutuante. O governo do presidente Alberto Fernández controla o declínio diário mínimo do peso por meio de uma teia de controles cambiais, congelamento de preços e restrições de importação com o objetivo de proteger as reservas em dólar cada vez menores. 

A estratégia está em conflito direto com as recomendações de política monetária do Fundo Monetário Internacional, exigindo uma renúncia formal durante a revisão mais recente do programa de US$ 44 bilhões do país, o maior para o credor de Washington. 

“As restrições cambiais e as práticas de múltiplas moedas devem ser desfeitas à medida que as condições permitirem e a cobertura das reservas se fortalecer”, disse a diretora-gerente do FMI, Kristalina Georgieva, em comunicado sobre a Argentina na semana passada, observando que tais políticas “não substituem uma política macroeconômica sólida”.

Taxas múltiplas

Crédito: Stopabox

Embora as taxas de câmbio alternativas não sejam novidade para a Argentina, elas prosperaram nos últimos três anos sob Fernandez, incluindo uma taxa comumente usada nos mercados e outra para cartões de crédito também negociados acima do peso oficial. O mais usado deles, conhecido pelos argentinos como “dólar azul”, é uma taxa de câmbio flutuante e totalmente em dinheiro.  

Tudo isso é consequência dos esforços de Fernandez para evitar uma desvalorização repentina da moeda vista como desestabilizadora para o mercado e os consumidores, que já lutam com a inflação estimada para fechar o ano em 100% . 

A caminho da eleição presidencial do ano que vem, os líderes de sua coalizão governista consideram uma desvalorização politicamente prejudicial pelo impacto que terá sobre a inflação e os salários, segundo parlamentares de alto escalão que pediram para não serem identificados falando sobre a estratégia.

Embora as restrições tenham ajudado a conter parte da hemorragia de reservas, ao mesmo tempo criou um sistema cada vez mais burocrático onde empresas e consumidores enfrentam altos custos de transação e o investimento estrangeiro tem pouco incentivo para trazer dólares para o país.

E ao manter o valor do peso artificialmente alto, os exportadores que são forçados a vender a essa taxa perdem dinheiro – daí a nova pressão do governo para lhes dar condições especiais – enquanto os poupadores exigem cada vez mais dólares baratos para se proteger contra a inflação acelerada.

As medidas do governo “são band-aids que criam distorções”, disse Maria Castiglioni, diretora da consultoria C&T Asesores em Buenos Aires. “Esta é uma forma de desvalorizar em etapas: aumentar os impostos sobre o turismo no exterior para conter a fuga de dólares.”

Veja também